Layout Por Melanie Costa Image Map

1 de mar de 2013

Feliz Aniversario Justin



so, you’re now 19. crazy how i got to know you back in 2009, when you were just 15, and from the first moment i saw you, i knew you would be huge. the day i first saw you with that floppy hair, supras and a hoodie, i fell for you. for your music, your smile, your cute laugh, i fell for everything in the package. 
it’s 2013 and i still fall more and more everday. i couldn’t have asked for a better idol. i know you have messed up a few times, but i’m proud of you for standing up everytime you fall. thank you for everything you have done not only for me, but for every fan of yours out there. you have no idea of how proud i am of you. it’s crazy the things i have done for you. when i grow up i’ll tell my children “when i was your age i did quite silly things for this amazing guy who i never got to know but who meant so much to me”. and you will still mean something to me, because you’re a huge part of my childhood and teenage years, and i’m so glad you’re. i have seen you grow up and become a huge sensation. but to me, you will always be kidrauhl. no matter how many haircuts you get, how many people you date, or how many mistakes you make. 
happy birthday justin, i love you.♡





1 de fev de 2013

Vaga de Postadora ( Fixo )


Quer ser postadora ? so falar : Seu Nome , Sua idade , Ja fez Imagine Belieber ? , Porque Quer ser postadora daqui ?!?

espero que participam deixem nos comentarios !! 

18 de jan de 2013

O Diário De Julieta Capitulo 7


Como ainda havia gelo no asfalto por conta da neve, Justin dirigia devagar então o caminho até em casa se tornava cada vez mais longo. Apesar do frio, o vento que batia em meu rosto fazendo meus cabelos esvoaçarem e trazia uma sensação boa. Eu cantava a música sem me importar com o que o Justin iria pensar e admirava a paisagem ao redor, com o intuito de curtir o momento. Mesmo que às vezes eu tinha que parar para dar as coordenadas do caminho, eu não parava de cantar. Fecho os olhos ainda cantando e penso no que deveria fazer quando chegar em casa. Escuto o Justin dando uma risada gostosa ao meu lado.
–O que foi? Por que você está rindo? – eu abri os olhos e o encarei.
–Nada não gata. Pode ficar a vontade – ele dizia sem parar de rir.
–Fala Bieber... o que foi? – eu pergunto novamente, iria insistir até ele se render e contar logo qual era o problema.
–É que você é diferente do restante... na verdade é totalmente o oposto das outras meninas – ele sorriu e me olhou de canto.
–Como assim? Por acaso sou tão anormal assim? O que as outras têm de melhor que eu não tenho... hein? – falei séria afinal não tinha gostado do seu comentário.
–Calma gata – ele riu – Não estou falando dos seus defeitos e sim das qualidades. Você é espontânea, diz e faz o que pensa sem se importar com o mundo em volta. Quando você quer fechar a cara você simplesmente fecha e quando quer sorrir abre esse seu sorriso maravilhoso e encantador.
–Espertinho... está partindo para os agrados mas não vai conseguir nada. Então vai ser perda de tempo falar essas coisas pra mim, guarda pra próxima da lista. – disse constrangida e corada depois de escutar tudo o que ele me falou.
–Só fui sincero, nem tinha pensado em segundas intenções. – ele respondeu firmemente, parecia até que estava falando a verdade.
Começa a tocar outra música no rádio, “Teenage Dream”. Era um especial da Katy Perry então só iria tocar canções do seu repertório. Eu tirei o cinto de segurança e me sentei no capô trazeiro do carro, com as minhas pernas sobre o banco do passageiro. Dessa vez o Justin cantou a música junto comigo. Parecíamos dois loucos, alguns carros buzinavam, mas nós nem ligávamos. Estava me sentindo no clipe de Teenage Dream, foi divertido.
A próxima canção se chamava “Peacock”. Logo que ela começou, eu voltei a me sentar no banco, coloquei novamente o sinto e mudei de estação. O Bieber me encarou e disse:
–Ué... por que você mudou de estação? Achei que estivesse gostando.
–É que... eu não curto muito essa música, só isso. E também vamos ver o que está tocando em outra rádio. – eu disse.
Não iria revelar o verdadeiro motivo né?! Aquela música tinha duplo sentindo e não ia pegar nada bem nós dois escutando aquilo. Sem contar que o som estava alto e os outros carros iriam nos encarar abismados. Bom... na outra estação estava tocando “Like a G6”.
–Deixa nessa. Adoro essa música, ela tem uma batida legal. – ele disse enquanto dava uma batidinha de leve na minha mão, impedindo que eu trocasse novamente de estação.
Quando ele estacionou em frente a minha casa, eu fiz um sinal de agradecimento com a cabeça e disse:
–Ok... obrigada pela carona, mas só pra deixar bem claro: essa foi a primeira e última. – sorri, peguei minha bolsa, meus livros e abri a porta.
–Espera um pouco – ele estendeu sua mão até a porta que eu tinha acabado de abrir e a fechou. – Tenho uma pergunta pra você.
–Diga... – disse olhando pra cima.
–O que tem entre você e o Eric? Eu vi muito bem aquela cena na quadra – ele deu um suspiro desanimado – Você deu um beijo nele e depois ficaram abraçados.
–Não há nada entre nós. Eu apenas o considero um grande amigo, só isso. Eu fiz o que amigos fazem. Bieber... foi um beijo no rosto e um abraço. – eu disse calmamente.
Já no meu primeiro dia de aula, todos estavam preocupados com a minha atual situação amorosa, fala sério.
–Jú fala a verdade, não precisa mentir pra mim – ele mantinha um olhar triste e sério.
–Justin... sou brasileira estou acostumada a ter mais contato com as pessoas. Lá no meu país nós somos mais amorosos e receptivos
Ele arqueou a sobrancelha com uma expressão confusa.
–Vou tentar ser mais clara... nós gostamos de calor humano. Esse modo de receber as pessoas com um abraço e um beijo no rosto é um costume nosso, só isso.- revirei os olhos- Nossa, vocês todos vêem maldade em tudo... meu Deus. – disse por fim para que ele entendesse melhor.
–Ok eu entendi, acredito em você. – ele me olhou sorrindo.
–Agora já vou indo... tchau – eu disse
–Ué... cadê o calor humano que vocês tanto gostam? E meu beijo e abraço? – ele disse se aproveitando da situação.
–Está bem Bieber. Então feche os olhos.
–Mas por que eu tenho que ficar de olhos fechados – ele perguntou
–Apenas feche de uma vez – queria entrar logo em casa, ele estava me enrolando muito.
O Justin fechou os olhos e esperou por alguma atitude minha. Eu aproximei meu corpo para mais perto do dele assim como o meu rosto. Dava para sentir o perfume masculino viciante que ele usava. Percorri meus olhos por sua face e observava atentamente cada traço e expressão que ele continha. Por fim fechei meus olhos e dei um beijo em sua testa.
Desci do carro rapidamente e fui até a porta de casa. Ele abriu os olhos e me encarou de uma forma engraçada que me fez ri.
–Isso não foi justo Julieta. – ele gritou de dentro do carro.
Apenas entrei em casa, ainda rindo. Eu mandei um beijinho e assoprei em sua direção. 
Continuo com 4 comentarios :) 


16 de jan de 2013

O Diário De Julieta Capitulo 5 e 6


O Diário De Julieta Capitulo 5
Na aula de biologia, o Bieber sempre que dava desviava os olhos do fígado,na nossa mesa, e olhava para mim. Sem contar nas cantadas e nas indiretas que ele mandava a cada minuto.
O combinado foi que em uma aula um ficava encarregado da parte nojenta enquanto o outro fazia as anotações. Um dia ele e no outro eu, assim ficaria mais justo. Mas como ele não mandava muito bem em biologia eu tinha que ficar dando assistência. Fico imaginando se fosse ele sozinho… seria capaz do fígado ter ganhado vida para fugir das mãos dele. Se bem que isso nem seria preciso, pois ele pegava o órgão de uma forma tão desajeitava que sempre ele escorregava e caia no refratário novamente.
–Vai com calma, se não daqui a pouco esse fígado vai parar no colo daquela loira, vestida dos pés a cabeça de rosa, bem na nossa frente – eu ri alto. – Se não vai é parar bem em cima da peruca que o professor tem na cabeça. - eu gargalhava enquanto tocava na mão dele para mostrar como deveria segurar.
–Muito engraçada. Se bem que a loira não ia ficar nada brava comigo, ela me adora e daria tudo pra ter um encontro comigo. - ele deu um sorriso sexy - Já o professor… acho que ele não iria aceitar se eu o convidasse para um encontro, neh? – ele gargalhava junto comigo enquanto tentávamos conter o fígado escorregadio.
–É… finalmente um que não cai nos seus encantos. – eu não conseguia parar de rir da situação.
Até que o Justin olha para nossas mãos juntas, vai parando de rir aos poucos, vira-se para mim e pergunta:
– Então você também é vulnerável aos meus encantos?
–NÃO… claro que não! Sou do time do professor, você não causa nenhum efeito em mim. – falei rapidamente enquanto olhava dentro dos olhos deles, tentando provar não só pra ele como para eu mesma de que eu estava falando a verdade.
–Senhor Bieber e Senhorita Monteiro, os dois deveriam estar a caminho da próxima aula. O sinal já tocou, não repararam? – O professor nos encarava seriamente, louco para que fossemos logo embora daquela sala.
–Desculpe Senhor Davis. Já estamos nos mandando. – Justin disse e me puxavou para fora da sala.
–Nossa que rabugento ele é – eu comentei com Justin, que já nos levava para a próxima aula: Matemática.
A aula de matemática foi tranqüila. Na de sociologia nós só debatemos superficialmente sobre o conteúdo a ser ensinado este ano: Relações Humanas. Iríamos ver e filosofar sobre a maneira com que o homem se relaciona com seus semelhantes, até que achei interessante. Já na aula de Ed. Física o treinador era rígido demais, nos fez correr entorno da quadra dezenas de vezes.
Eu já estava exausta e o Justin continuava intacto ao meu lado, chegava até a conversar comigo tranquilamente, por mais patadas que eu desse ele não parava de falar. Mas o mais estranho foi os olhares que algumas meninas fúteis e os valentões do time de basquete mandavam para nós dois. Até mesmo o Eric nos olhou de um modo diferente.
Depois dessa corrida ridícula. Os meninos iriam treinar basquete e as meninas jogavam vôlei, como eu não tenho equilíbrio e sou em desastre no esporte, elas me deixaram sentada no banco de reserva. As meninas que eram do grupo de torcida iriam para um canto e montavam suas coreografias. Cada vez que o Bieber fazia um cesta elas festejavam com vontade e se insinuavam para ele ao mesmo tempo. Já ele me encarava com uma expressão de “eu sou o maior”, eu apenas ria da situação.
Depois do treino Eric se sentou ao meu lado e disse:
–Então é você a próxima da lista?
–Não estou entendendo… - fiz uma cara de confusa
–O Bieber… você! Aaa Ju… qual é, todos repararam. Ele está dando literalmente em cima de você.
–Mas quem disse que eu to dando trela pra ele? Nós nunca iríamos ter nada juntos, n-a-d-a. Ele realmente não faz meu tipo. – expliquei para Eric a fim de tirar dele os maus pensamentos.
–Só estou te avisando… ele não é pra você. Vai te fazer sofrer. – Eric pega minha mãe diz calmamente pra mim.
–Ué não era você quem disse que ele era rude só às vezes? Está contradizendo o que me disse no refeitório?
–Não! Ele é legal, mas não o bastante pra você. Digamos que ele adora todasmulheres ao mesmo tempo, sabe? – ele sorriu pra mim.
–Eu soube disso desde a primeira vez que vi ele, Eric. Relaxa uma coisa que não sou é boba. – retribuí o sorriso e dei um beijo no seu rosto. – Obrigada por se preocupar.
Ele abre novamente aquele sorriso para mim e eu digo:
– Seu sorriso é contagiante, sabia? Você é um grande amigo. Adorei te conhecer.
Nos abraçamos ainda sorrindo.
O Diário De Julieta Capitulo 6
Me despedi do Eric, afinal as aulas já tinham acabado. Peguei meu ipod, aumentei o volume e fui para o vestuário me trocar e depois partir para casa. Estava morta e a música alta era confortante e anestésica. Tomei um banho rapidamente, estava louca para relaxar na minha cama.
Saio do chuveiro e vou ao meu armário, do vestuário, em busca de uma roupa. É.. eu tinha dois armários nesse colégio, que demais! Enquanto me troco um grupo de meninas se aproximam e uma delas me empurra. Percebo que são as meninas da torcida e foi a líder quem me empurrou. Ela era a mesma loira da aula de Biologia, aquela vestida toda de rosa, cujo nome é Cloe. Com um olhar frio e uma voz séria ela me diz:
– Posso saber o que foi aquilo na quadra e no laboratório de biologia?
– Bom... na quadra eu apenas me exercitei e na aula de biologia eu estava só cumprindo o meu dever de anotar as observações sobre aquele fígado. – disse ingênua, não vendo a hora de elas irem embora e me deixarem quieta.
–Você entendeu muito bem o que eu quis dizer. Você e o Bieber... se explique, estou esperando. – disse a Cloe.
– Eu não tenho nada pra te explicar, mas se você quer tanto saber eu não tenho NADA com ele. Não sou egoísta e metida como vocês dois são. – resolvi cuspir tudo na cara daquela louca
– Acho bom... ele já tem dona a muito tempo. E que fique bem claro: não é uma novata que vai mudar alguma coisa entre nós. – ela disse e revirou os olhos
– Fica tranqüila a novata aqui não está com nenhum interesse no seu príncipe encantado, ok?! – disse enquanto terminava de colocar a minha blusa, pegava minha bolsa e ia embora.
Precisava abstrair um pouco, então coloquei meus fones no ouvido e sai do vestuário cantando alegremente a música “The One That Got Away” da Katy Perry. Passo pelo corredor, vou até o meu armário para pegar uns livros e depois ir onde estava o ônibus. Mas sinto uma mão quente pousar em meu ombro direito. Por conta do susto que levei o armário se fechou e acabou fazendo um barulho alto.
–Cloe será que dá pra você me deixar em paz? Eu já disse que não estou nem um pouco a fim dele! – eu disse enquanto me virava de frente para a pessoa que me assustou.
–Cloe? Porque você achou que eu fosse a Cloe? E de quem que você não está nem um pouco a fim? – o Justin me fez mil perguntas e me olhava de forma confusa.
– Aaaa Bieber... é só você! – suspirei aliviada
–Não vai responder minhas perguntas? O que a Cloe ia querer com você? – ele insistia que eu esclarecesse
– Nada demais... ela é uma doida, só isso. – disse para ele e me virei pra ir embora.
–Calma... eu vim aqui atrás de você e você me dá as costas?- ele riu e me puxou pelo braço para impedir que eu partisse.
–Então diga logo o que quer? Preciso partir, não quero atrasar o ônibus e fazer o motorista, Marck, me esperar. – Falei o encarando e mexendo a mão para que ele falasse logo.
– Que música era essa que você estava cantando? Ficou linda na sua voz, sabia? – ele disse se aproximando de mim.
–Fala sério Bieber...- eu suspirei - Se chama “The One That Got Away”. Dá pra me diz o que quer de uma vez? – eu disse e depositei minhas duas mãos em seu peito, tentando fazer com que ficássemos distantes um do outro.
– Ok, vou falar algo sério então. – ele notou que não queria que se aproximasse de mim e deu um passo para trás. – O seu ônibus já partiu e já faz um tempinho, você não vai conseguir alcançar.
–Não acredito! Droga... culpa da Cloe que me atrasou no vestuário. – disse e xinguei ela mentalmente.
– Calma gata... o Justin aqui te salvará! Me acompanhe – ele estendeu a mão e entrelaçou nossos braços.
Ele me levou até o estacionamento e parou de andar, ficando de frente para uma vaga com um carro esportivo lindo. Eu soltei meu braço do dele, me aproximei do carro e disse:
–Não acredito... Você tem um 370Z Roadster, vinho, com 332 cavalos e um motor 3.7 V6 DOHC! – eu falava eufórica e tocava no capô da frente.
– É isso mesmo! Gostou né? – ele sorri e abriu a porta do passageiro- Agora é só se sentar e aproveitar a viagem.
–Espera aí... você acha mesmo que eu vou entra no seu carro? Logo eu vou aceitar carona do idiota da cafeteria que também é capitão do time de basquete... nem pensar. Vai saber quantas meninas já não entraram aí e também o que aconteceu nesses bancos de couro – em seguida fiz cara de nojo – Acho melhor nem pensar.
–Larga de ser fresca e entra logo ou vai querer ir andando sozinha pra sua casa? Pelo jeito deve ser perto daqui, já que está tão disposta assim.
–Não... nem um pouco. É por isso que venho de ônibus porque se não eu vinha a pé mesmo.
–Então entra – ele veio até mim, pegou minha mão e me ajudou a entrar no carro.
–Mas não pense besteira hein... só aceitei sua carona porque não tinha outra escapatória. – eu disse com o objetivo de afastar seus pensamentos inadequados.
–Ok... Senhorita Julieta Monteiro. – ele fechou a porta, deu a volta, entrou no carro, abaixou a capota e ligou o rádio que tocava justamente a música “The One That Got Away”- Aaa... e só pra você saber, nesses bancos rolaram coisas que nem a sua cabecinha repleta de imaginação fértil seria capaz de imaginar. – ele riu, levou sua mão até minha cabeça e a cutucou com o dedo de maneira delicada, assim como na aula de biologia, e em seguida deu a partida tirando o carro da vaga e indo até a rua.
com 5 comentarios continuo !! 



15 de jan de 2013

O Diário De Julieta Capitulo 4


Quando entrei na sala, reparei que as carteiras eram um duplas e o quadro era enorme. Nos cantos das paredes haviam caixas de som, assim como por todo colégio. Deve ser para a direção dar avisos e também tem a rádio da Marie. Sentei no fundo, para não ser notada ainda mais, bem ao lado de uma menina com roupas que a caracterizavam claramente de nerd.
A professora logo chegou, no jaleco dela estava escrito Maestra Yolanda (para quem não sabe, “maestra” é “professora” em espanhol, ok?). Ela parecia ser simpática e ao vir em minha direção, disse:
– Uma aluna nova – ela olha a pasta em suas mãos e completa – Você deve ser a Julieta Valadares Monteiro. Aqui diz que você é brasileira, agora entendi porque o seu nome tão diferente do restante da lista de chamada. Seja bem vinda! - ela sorri simpaticamente.
–Obrigada - retribui o sorriso.
Todos os outros alunos que estava conversando, escutando música, lixando as unhas ou ainda se sentando… viraram em minha direção e fizeram cara de espanto. Alguns meninos até ousaram sorrir de forma maliciosa e algumas meninas faziam cara de antipatia, enquanto os restantes dos alunos simplesmente agiram surpresos, mas educadamente.
Os olhares, no decorrer das três próximas aulas, me incomodavam bastante. Por isso eu tentava me concentrar ao máximo nos conteúdos presentes no livro e no quadro.
A única aula que me relaxou um pouco foi na de Teatro/Música e também na de Química. Ao descobrir que meu parceiro de laboratório, Eric, não era um bicho de sete cabeças e que foi sempre muito paciente, educado e acolhedor comigo. Logo de cara pude reparar que iríamos ser ótimos amigos.
No intervalo, a Marie, parecia feliz por fazer uma amizade. Ela simplesmente me arrastou para sentar com ela, acho que ela não era muito popular e isso para mim era um ponto positivo. Estávamos conversando animadamente e resolvi comer apenas a maçã e tomar o suco, pois a comida era um tanto estranha. Ia demorar para me habituar aos costumes deles.
Nisso, o Eric senta ao meu lado. Marie faz cara de surpresa e comenta:
–Nossa… você, Eric Carter, do time titular de basquete da escola, se sentado em uma mesa não tão privilegiada?
–Pois é, Marie Lee. Acho que você ainda vai se surpreender muito comigo. Pelo jeito que você falou até parece que sou de outro mundo. – Ele sorriu sinceramente e contagiante.
–Aaa então você é do grupo do basquete?! Acho que eu é quem estou surpresa... você é tão diferente dos brutamontes, valentões e populares sentados do outro lado do refeitório. – eu disse rindo
– Julieta, eles também são legais por incrível que pareça - ele retribui o riso e encara a mesa do seu grupo.
– Sei… o Ryan Butler, Chaz Somers e principalmente o Justin Bieber são legais? Aaa tá! – Marie fala ironicamente
–Justin Bieber? – eu pergunto rápido demais pelo espanto.
–É o Justin… aquele ali – Eric aponta para Justin, que se encontrava sentado sobre a mesa, fingia ter uma bola nas mãos e em seguida fazendo uma cesta imaginária com ela. - Ele é o capitão do time, como se fosse o rei da escola. Mas ele é legal sim… um tanto rude às vezes, mas só as vezes.
Às vezes?! Essa é boa! – eu penso comigo mesma.
O sino toca, Eric e Marie se despedem de mim e eu vou para as próximas aulas. Quando chego na porta do laboratório de biologia vejo o Justin me esperando.
– E ai? Onde andou no intervalo? – ele me pergunta franzindo a testa.
– Longe de você! – respondo friamente e entro na sala.
O professor tinha cara de infeliz, parecia que tudo lhe aborrecia. Ele foi chamando os nomes e montando as parcerias. Eu fiquei junto do Justin, infelizmente. Estava prestes a abrir a boca para reclamar e ver se ele me trocava de companheiro, mas o Bieber me puxou pelo braço e fez com que eu me sentasse na cadeira em frente a nossa mesa.
–Você ficou louca Julieta? Qualquer questionamento ele te manda para a detenção e pelo jeito você não tem cara de quem freqüentaria. – ele diz enquanto colocava seus livros sobre a mesa.
–Você não sabe nada sobre mim!- disse emburrada – E tem mais uma coisa… como você sabe meu nome se eu nem te falei?
Ele ri e reponde:
–Calma, eu não mordo não ok? Só se você quiser – ele dá um sorriso vitorioso por sermos parceiros - Eu sei o seu nome porque estava no seu horário de aula, em suas mãos, quando eu te vi na entrada, lembra?- ele disse levando sua mão até minha cabeça e a cutucando com o dedo de maneira delicada. - Hei… porque você não me falou que era brasileira?
–Isso não te interessa! Mas como você soube se eu também não te contei e, com certeza, isso não estava escrito no meu horário… hein?
–As notícias correm gata! – ele piscou pra mim – Nós ainda vamos ter muito tempo pra nos conhecemos. Todas as minhas quatro aulas após o intervalo são iguais as suas.
–Droga! – fiz bico – Mas quem disse que eu vou ficar perto de você?
–Bom… em biologia, eu sou o seu parceiro e nas aulas restante… já vou avisando, não adianta nem fugir. Só vai ser perda de tempo, gata! – ele fala sorrindo convencido
–Dá para parar de me chamar de gata? – eu disse o encarando, com o sangue fervendo em minhas veias do ódio que estava sentindo dele.
Gata! – ele sussurrou perto do meu ouvido e riu baixinho 
com pelo menos 2 ou 3 comentarios continuo !!


O Diário De Julieta Capitulo 3


Acordei por causa das fortes batidas na porta.
– JÚ LEVANTA LOGO! VOCÊ AINDA TEM QUE PEGAR O ÔNIBUS! VOU INDO PARA O ESTÁGIO, O PAPAI A E MAMÃE JÁ FORAM TRABALHAR! – minha irmã berrava na porta
–Está bem… vou tomar um banho e já desço – eu disse com uma voz sonolenta e em seguida jogo o travesseio na direção dela.
– Não esquece de trancar a porta viu – ela disse e escuto a porta do quarto bater.
Minha irmã é mais velha do que eu e está fazendo estágio no hospital psiquiátrico da região. Ela simplesmente ama psicologia e medicina, acho que ela vive só em função disso.
Tomei um banho e vesti algo básico e confortável. Não queria chamar atenção na escola, pra mim quanto mais invisível melhor. Peguei minha bolsa, uns livros e fui rumo ao local onde deveria aguardar pelo ônibus… que não era longe, na verdade era na esquina de uma lanchonete perto de casa. Aproveitei e comprei um cappuccino, pois nem tinha tomado café.
Não queria falar com ninguém, pois nem saberia como agir perto das pessoas. Pelo visto o meu ipod seria a minha salvação. O ônibus chegou, o motorista chamado Mark quis ser simpático ao se apresentar e perguntar sobre minha vida no Brasil.
Cheguei na escola, ela era totalmente diferente da de Floripa. Na diretoria, eu pego meu horário junto com o número e senha do meu armário. Percorro aquele corredor e me sinto a maior estranha no meio desse formigueiro. As pessoas andavam freneticamente pra lá e pra cá e todos eram visivelmente separados em grupinhos. As meninas vinham vestidas de maneira impecável… pareciam até que estavam em uma passarela do Fashion Week .
Todos me encaravam sem nem ao menos tentar disfarçar. Constrangida, abro meu armário e tento guardar meus pertences e pregar algumas fotos e lembretes na parte de dentro da porta.
– Aluna nova na escola é assim mesmo… todos querem saber quem é e também julga - lá pela primeira impressão. –disse uma menina loira e um pouco mais baixa que eu. Ela estava bem ao meu lado e esticou a mão em minha direção. – Prazer sou Marie. E Você é…?
É… pelo jeito meu ipod não seria minha salvação como eu achava que ia ser. Sorrio e digo:
– Me chamo Julieta. Sou nova sim, mas parece que tem mais algum problema comigo, pois as pessoas estão me encarando de forma estranha.
–Além de só você ter um bronzeado excêntrico por aqui, acho que não tem nada demais não. – ela disse e riu.
–É sou mesmo um peixe fora d’água nessa cidade. Mas eu também não sou a única estranha, vocês se parecem com bonequinhos de porcelana. - disse também rindo
–Verdade… até que você tem razão.- ela falou enquanto olhava ao seu redor.
–Senhorita Marie aqui está a chave da rádio escolar, está na hora de dar as informações. Vai já para o estúdio. – a diretora vinha em nossa direção, entregou um molho de chaves na mão de Marie e saiu puxando a garota pelo corredor.
–Que colégio bizarro – sussurrei para que só eu pudesse ouvir.
Olhei o meu horário de aula. Pelo visto eu ficaria das 8:00 da manhã até as 3:00 da tarde e todos os dias seria a mesma sequência:
Espanhol
Teatro/Música
Inglês
Química
Intervalo
Biologia
Matemática
Sociologia
Ed. Física
–A sala da sua primeira aula é a terceira a direta, depois da enfermaria – disse um rapaz encostado no armário ao lado do meu – E vê se anda com cuidado pelos corredores para não ferir ou manchar a roupa de alguém com o cappuccino em suas mãos.
–Como é? – Olho para ele e percebo rapidamente que é o Justin da cafeteria, do avião e o leitor de diários. –Não acredito… logo você por aqui? Por acaso veio cobrar a dívida da lavanderia?- o encarei seriamente.
–Não, mas já que você tocou no assunto de cobranças… que tal aquele beijo que não terminamos? – ele deu o mesmo sorriso torto.
–Nós nem começamos! – eu disse.
– Se esse for o problema – ele disse fazendo beicinho.
O sinal toca e eu me afasto rapidamente dos armários e vou rumo para a primeira aula.
–Nos encontramos depois do intervalo, Julieta! – ele gritou no corredor para que eu pudesse ouvir.
Resolvi não encará-lo e entrar logo na sala. Que garoto mais petulante.
Espera aí… como ele sabe meu nome?


14 de jan de 2013

O Diário De Julieta Segundo Capitulo



Entreguei minha passagem para uma mulher encarregada de recolher e logo a aeromoça me ajudou a localizar a minha devida poltrona dentro do avião. Dessa vez a minha irmã não iria ao meu lado com o seu pensamento positivo em relação ao nosso futuro no Canadá. Agora sim eu poderia relaxar sem escutar vozes ao meu lado, pois pelo jeito o meu companheiro oculto de viagem não existia. Afinal o avião já estava pra decolar e ninguém se sentou ao meu lado.
Como o vôo tava atrasado e as pessoas ficavam aguardando a decolagem resolvi tirar meu diário da bolsa que se encontrava no bagageiro. Como minha bolsa tem tanta coisa foi difícil detectar o pobre diário lá dentro. Acabei encontrando meu ipod, o livro “A Última Canção” e por fim o meu querido diário... o meu companheiro para os bons e maus momentos.
Enquanto vasculhava meus pertences escuto vozes ao meu redor e sinto um cheiro de um perfume masculino irresistível e um tanto conhecido. Simplesmente ignoro, sento perto da janela e penso que devo estar louca, os motivos para isso não são poucos.
Percebo um vulto se sentando ao meu lado.. legal tenho companhia. Espero que não tenha que falar sobre o clima com ela e que ela não ronca a viagem toda. Ignoro novamente o ser ao meu lado e abro o meu diário pronto para desabafar sobre meus últimos acontecimentos, um tanto irritantes e desastrosos, enquanto escuto a música “Broken-Hearted Girl”, na versão ao vivo, do novo álbum “I Am... World Tour”.
A caneta percorre depressa a folha do meu diário sobre o meu colo. Olho para o chão, seria difícil não reparar no tênis supra roxo que fez até com que eu piscasse pela cor forte que invadia meus olhos. Viro para o lado e vejo aquele ser com cabelo de um tom único e também com lábios, pele e olhos únicos. Ao perceber que o observava ele dá um risinho, também único, e diz:
– Só podia ser você mesmo para impedir que eu sentasse perto da janela.
– Você? – eu disse com uma voz de espanto e descontentamento
– Quem mais podia ser? O Michael Jackson? Ele está morto, esqueceu? - ele diz para mim, ainda rindo
– Pois eu preferia que fosse o fantasma dele ao meu lado do que você, o idiota da cafeteria. – sorri debochado
– Então estamos quites, pois ao meu lado está a doida desastrada da cafeteria. - ele disse dando o troco e se divertindo com a situação. Depois completou com – Sou Justin. Você é... ?
– A doida desastrada da cafeteria que fez você engolir o guardanapo. Quer saber... simplesmente finja que não existo. – respondi e resolvi encarar meu diário voltando aos meus antigos pensamentos.
–Vai ser difícil. – ele sussurrou
Depois de um tempo, acabei caindo no sono. Acordo assustada ao escutar a Hayley Williams cantando “That's what you get when you let your heart win. Woah!”.Quase estourei meu tímpano por causa do volume exagerado que estava o ipod.
Do meu lado encontrei apenas meu diário aberto sobre a poltrona em que o tal... Justin deveria estar sentado. Suspiro aliviada por saber que ele já se foi e que já aviamos pousado ao ver a aeromoça acordando os passageiros dorminhocos, assim como eu, ainda presentes no avião. Pego o diário, minha bagagem e vou ao encontro da minha família.
O caminho até a nova casa até que foi rápido, desço do carro e encaro a fachada. Quando entro vejo que a mudança já tinha sido realizada anteriormente, então a mobília estava nos seus devidos lugares. Subo em busca do meu quarto.
A vista era perfeita, de frente para uma praça com flores, lagos e no centro um gazebo ainda conservado, mas que me lembrava o período colonial. A neve caia delicadamente e se acumulava na minha sacada.
Saí de um país tropical para um todo congelado. Eu de cabelos negros, olhos castanhos e pele bronzeada em uma cidade onde a maioria das pessoas eram branquinhas, loiras e de olhos claros. Pensar em tudo isso me fez rir.
– Gostou do quarto? – meu pai, Adan, perguntou ao abrir a porta.
– Perfeito. – sorri de forma sincera
–Sabíamos que iria gostar, afinal é sua cara e tem bastante espaço. – ele falou
– É.. eu sei que sou um pouco espaçosa – confessei
–Um pouco? – ele perguntou de forma irônica e brincalhona
– Sim senhor ADAN apenas um pouquinho. Você não quer que eu também aponte um defeito seu né?! Como por exemplo... os seus gritos de comemoração quando seu time faz gol, cesta ou sei lá. Só sei que o eco faz até balançar as paredes da sala.- disse também brincando e rindo
–Ok. Ponto pra você.- ele riu – Aaa só pra avisar, não estamos de férias. Então as suas aulas já começam amanhã. Eu e sua mãe já fizemos a matrícula quando viemos pra cá mobiliar a casa.
–Está bem... sabia que ia vir um bomba. – eu disse enquanto ele já descia a escada do hall.
Pego a minha bolsa e jogo tudo o que tinha dentro dela em cima da cama. O visor do meu celular marcava 5 ligações perdidas, 2 mensagens e 1 correio de voz. Pensei: só pode ser a Emily.
Fui tomar um banho pra relaxar o corpo. Ainda de roupão resolvi deitar na cama, mandar uma mensagem para minha amiga Emily avisando que cheguei, que estava tudo bem e que sentia saudades. Larguei o celular e peguei o diário a fim de terminar de escrever. Abro na página em que tinha parado e vejo um papel escrito com uma caligrafia itálica:
Você tem uma letra linda!
\t Justin
Era só o que me restava... aquele menino leu meu diário.
Espero que gostem :) com 4 comentarios continuo :)